- Belung Magazine
Este site usa cookies para melhorar sua experiência de navegação. Ao usar este site, você concorda com o uso deles. OK, eu concordo Mais informações

Os antifibróticos podem ajudar os doentes com FPI que aguardam um transplante pulmonar

Podemos imaginar as dificuldades, a nível psicológico, vividas pelo doente ao aguardar o órgão de um dador, enquanto o relógio avança sem piedade. Um estudo Belga parece oferecer alguma esperança aos doentes com FPI (Fibrose Pulmonar Idiopática) que se encontram nesta situação. Embora apenas alguns doentes sejam elegíveis para transplante pulmonar e sejam necessários muitos mais pulmões de dadores, os investigadores demonstraram agora que os medicamentos antifibróticos podem abrandar a progressão da doença e assim ganhar tempo até ao transplante.

O transplante pulmonar é um tratamento possível para os doentes com FPI. Dado o risco elevado de agravamento da doença e morte, os doentes que aguardam um transplante pulmonar enfrentam um período muito difícil e de grande incerteza. Apesar dos medicamentos antifibróticos conseguirem estabilizar a doença, estão associados a alguns efeitos secundários. 

rescue_band_visual_belung.jpg

Para melhorar o tratamento dos doentes com FPI, a Dra. Isabelle Delanote e os seus colegas de Leuven, Bélgica, realizaram um estudo no qual avaliaram os resultados do uso de medicamentos antifibróticos em doentes com FPI, antes de avançarem para o transplante pulmonar. Os investigadores não observaram quaisquer efeitos secundários significativos após o tratamento, embora tenha ocorrido perda de peso durante o tratamento. Um aspecto importante foi que, em geral, os resultados indicaram que o tratamento anterior ao transplante, com medicamentos antifibróticos, resultou numa estabilização ou num declínio moderado da função pulmonar. Além disso, os medicamentos antifibróticos não estiveram associados a complicações pós-operatórias e nenhum dos doentes morreu de FPI no primeiro ano após o transplante.

Com base nestes resultados animadores, os investigadores concluíram que o uso de antifibróticos anterior ao transplante parece ter um bom perfil de segurança e ser eficaz no abrandamento da progressão da doença. Contudo, os investigadores mencionaram ainda que os resultados têm de ser confirmados num estudo de maior dimensão, preferencialmente prospectivo, antes de ser possível tirar conclusões sólidas.

Bibliografia:
Delanite I, Wuyts WA, Yserbyt J, et al. Safety and efficacy of bridging to lung transplantation with antifibrotic drugs in idiopathic pulmonary fibrosis: a case series. BMC Pulm Med 2016;16(1):156.


disclaimer
PM/OFE-181091_mar2018